Contato

A qualidade da água e os impactos na produção animal

Não é novidade que a água é fundamental para a produção animal e a falta dela impacta no crescimento, bem-estar e saúde do rebanho.

Não é novidade que a água é fundamental para a produção animal e a falta dela impacta no crescimento, bem-estar e saúde do rebanho. 

A água é fator primordial em todos os sistemas de produção, porém é um recurso que já se encontra escasso em várias partes do mundo. Na produção animal ela é fundamental tanto para a dessedentação dos animais como para a higienização das instalações. Por isso, deve estar disponível em quantidade e qualidade.

Assim, quando o tema qualidade da água é abordado, é importante compreender que ele não se refere apenas a um estado de pureza, mas também às características químicas, físicas e biológicas. Esses são fatores que influenciam a ingestão e estão altamente correlacionados com diversos fatores que influenciam o bem-estar e a produção animal.

O suprimento adequado de água de boa qualidade irá garantir inúmeras funções orgânicas nos bovinos, tais como: 

  • regulação da temperatura corporal;
  • fermentação normal do rúmen;
  • fluxo adequado do alimento no trato digestivo;
  • adequada digestão e absorção dos nutrientes; 
  • volume do sangue normal;
  • irrigação de todos os tecidos; 
  • excreção dos resíduos do metabolismo orgânico. 

Assim, se torna um recurso natural tão importante quanto carboidratos, proteínas, minerais e vitaminas.

A água também é um fator de impacto para o desempenho dos animais, pois é possível observar uma correlação positiva entre a ingestão de água e o consumo de matéria-seca. Assim, o animal apresenta resultado superior no consumo quando verificado maior disponibilidade de água. 

Em contrapartida, animais com acesso a água de baixa qualidade contaminada por fezes, algas e sujidades tendem a ingerir menos água, com efeito negativo no pastejar, e – consequentemente – redução no consumo de matéria-seca.

Contaminação da água no sistema produtivo

Os bebedouros naturais ou artificiais, construídos diretamente no solo, possibilitam o acesso dos animais ao seu interior, o que favorece a contaminação das águas com fezes e

urina. A deposição de fezes e urina do gado, dependendo da quantidade de animais, pode

aumentar consideravelmente os níveis de coliformes fecais e outros microrganismos maléficos aos animais. Com isso, os índices de enfermidade no rebanho podem se elevar consideravelmente.

Água considerada de baixa qualidade é aquela que apresenta elevada acidez e alcalinidade, presença de minerais de traços tóxicos como flúor (F), selênio (Se), ferro (Fe) e molibdênio (Mb), presença de nitrogênio (N) (que indica decomposição de matéria orgânica e alto conteúdo de sólidos totais dissolvidos). Além disso, alta contagem de bactérias (coliformes fecais ou não, Streptococcus, Pseudomonas) e população elevada de algas verdes e azuis.

A temperatura da água também é um fator importante para o animal. Quando ofertada em condições propícias, auxilia na digestão, em contrapartida, temperaturas elevadas favorecem a proliferação de micro-organismos patogênicos. 

A contaminação constante pelos dejetos dos animais leva à eutrofização, um enriquecimento artificial causado pelo aumento das concentrações de nutrientes na água, principalmente por compostos nitrogenados e fosfatados. 

Em condições naturais a eutrofização associada a elevadas temperaturas e longos períodos de estiagem, podem ocasionar maior evaporação da água e consequentemente uma elevação na concentração de nutrientes considerados tóxicos. Dessa forma, manter os bebedouros sempre limpos e higienizados permite oferecer água de qualidade para os animais, garantindo saúde e rentabilidade do sistema produtivo.

Considerações finais 

Para uma pecuária sustentável, é necessário realizar o aproveitamento dos recursos naturais, tendo em vista a preservação e conservação deles, incluindo o uso da água. A falta de água com qualidade para dessedentação dos animais tem como consequências a redução do crescimento, do bem-estar e da saúde e o aumento do estresse, resultando em consideráveis impactos negativos nos fatores zootécnicos e econômicos.

Autora do artigo:

Luana Molossi.

AgriSciences | Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais (ICAA), Universidade Federal de

Mato Grosso (UFMT).

Procure por conteúdos específicos:

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors