Contato

IILB + Pecuária 4.0: Um caminho para aumento de eficiência, produtividade e rentabilidade

Vivemos em um tempo no qual o volume de informações disponíveis aumenta vertiginosamente. Aumenta, também, o desafio de fazer com que estas informações tenham valor real para as pessoas, que têm papel fundamental  na quar

Vivemos em um tempo no qual o volume de informações disponíveis aumenta vertiginosamente. Aumenta, também, o desafio de fazer com que estas informações tenham valor real para as pessoas, que têm papel fundamental  na quarta revolução industrial, que em nosso caso, é a Pecuária 4.0, a era digital na produção animal.

Fazer com que os dados, acumulados diariamente nas fazendas leiteiras, sejam processados e analisados de forma mais efetiva, sempre foi um ponto chave para o sucesso de qualquer iniciativa de informatização. Enriquecer, ainda mais, a informação gerada, usando-a, não só para a tomada de decisões “dentro da porteira”, mas, também, como um balizador de desempenho em relação às demais, seria, então, a “cereja do bolo”.

Trabalhando há longa data neste segmento – soluções informatizadas para a gestão de empresas rurais – sempre procuramos disponibilizar, além das ferramentas necessárias para gestão operacional das atividades, mecanismos para que os usuários pudessem usufruir de benchmarking. No entanto, percebemos que a utilização desses mecanismos era muito pontual.

Pensamos, então, que um caminho viável para agregar valor às informações acumuladas seria organizar os dados e entregar as análises prontas, para que os produtores e técnicos criassem o hábito de acompanhar e comparar seu desempenho.

Foi assim que surgiu o IILB (Índice Ideagri do Leite Brasileiro). Fundamentado em um volume significativo de fazendas, amplamente distribuídas pelo país, e em dados coletados por meio de um sistema altamente confiável (Software de gestão Ideagri), o IILB é um indicador unificado, uma nota de 0 a 10, calculado com base em vários parâmetros produtivos, reprodutivos e sanitários, com limites personalizados por perfis de rebanho, que permite ranquear todas as fazendas consideradas dentro de uma mesma base comparativa.

Para a formação da nota global, o IILB propriamente dito, selecionamos 12 indicadores (ilustrados na figura 1) que são básicos na gestão de qualquer fazenda leiteira e “contam” a história da fêmea desde seu nascimento, passando por sua vida produtiva e reprodutiva até a sua saída da fazenda, além de indicadores gerais do rebanho.

Figura 1 – Indicadores englobados no cálculo do IILB

Além de entregar aos clientes do Ideagri, um benchmarking rápido e efetivo de suas propriedades, através do IILB, que é atualizado a cada trimestre e tem divulgação aberta,  é possível “diagnosticar” o desempenho e a evolução do setor. Conseguimos produzir números relevantes para diversos indicadores, baseados na realidade brasileira de fazendas tecnificadas, para qualquer pessoa interessada.

Na tabela 1, é possível visualizar a evolução das notas, da quantidade de fazendas e matrizes e da produção de leite diária e anual, contempladas ao longo das 5 edições disponibilizadas.

Para que as fazendas participem, aplicamos rigorosos critérios de seleção sobre os dados da plataforma Web do sistema de gestão Ideagri. Consideramos os rebanhos com dados lançados de forma contínua e ratificada. Trabalhamos os dados de forma genérica (todos os rebanhos têm o mesmo peso nos cálculos da média, independentemente do porte) e sigilosa, sem referência ou identificação individual de fazendas. Percebemos que, ao longo do tempo, inclusive por desejo de conhecerem sua nota IILB, as fazendas têm se empenhado em aprimorar os lançamentos de dados, o que se reflete no volume crescente de fazendas qualificadas. Ainda assim, há muito espaço para melhorar – do total de fazendas leiteiras usuárias do Ideagri, 24% se qualificaram para a última edição.

As fazendas contempladas podem variar de edição para edição, assim, em função da diferença da produção total e média, mesmo com menos rebanhos a produção de leite pode ser maior, em algumas análises.

Além da pontuação geral, disponibilizamos, também, as médias brasileiras para diversos indicadores, tais como: taxa de sobrevivência de fêmeas até os 12 meses de idade; idade ao primeiro serviço; taxa de concepção de novilhas; idade ao primeiro parto; taxa de prenhez de vacas; taxa de mortalidade de vacas; percentual de vacas em lactação em relação ao total de vacas; produção nas lactações; produção média; dias em lactação médio, dentre outros.

Todas as edições já realizadas podem ser acessadas na plataforma www.iilb.com.br, gratuitamente. Além das pontuações gerais, por perfil racial do rebanho e por região e dos resultados dos indicadores, análises complementares são realizadas, e, neste artigo, compilamos os resultados de alguns dos estudos sobre assuntos específicos, produzidos durante o primeiro ano do IILB. Um presente muito especial para quem vive do leite no Brasil!

TAXA DE SOBREVIVÊNCIA DE FÊMEAS ATE OS 12 MESES DE IDADE

A taxa de sobrevivência até os 12 meses avalia quantas fêmeas nascidas na fazenda chegam vivas a um ano de idade, desconsiderando os descartes voluntários. A informação da sobrevivência é um importante recurso para realizar projeções de rebanho e planejamentos financeiros, bem como avaliar a evolução sanitária do plantel, dentre muitas outras aplicações. Com base nos resultados da taxa de sobrevivência, vemos um importante potencial de melhoria se comparamos a média geral de todos os rebanhos (86,87% – mortalidade de 13,13%) com os 10% das fazendas com melhor pontuação geral IILB 5 (93,05% – mortalidade de 6,95%).

Para produzir informações mais detalhadas, com o intuito de direcionar as correções necessárias no manejo, nos aprofundamos nas causas da mortalidade das bezerras. Neste processo, um fato que ficou evidente foi que, para a análise qualitativa das causas, uma relevante parcela dos rebanhos não foi considerada devido aos registros inadequados ou incompletos das causas de morte.

Para analisar as 10 principais causas (gráfico 1), aplicamos um critério de qualificação à base de fazendas, sendo que só avaliamos as fazendas com pelo menos 70% de causas devidamente informadas, retirando as demais. Do total de rebanhos participantes do IILB 4 (edição na qual esta análise específica foi apresentada), apenas 40% puderam integrar a análise qualitativa. Deste cenário, um ponto que vale destacar é a necessidade de conscientização de veterinários e produtores sobre os benefícios da identificação das reais causas de morte, através da  utilização de técnicas específicas tais como necropsias e exames laboratoriais. Isso é essencial, pois permite a criação de estratégias que podem   minimizar   a chance de recidiva do problema em outros animais do rebanho.

Gráfico 1 – 10 principais motivos de baixa de fêmeas até 1 ano em fazendas com dados qualificados

TAXA DE PRENHEZ DE VACAS

A Taxa de Prenhez engloba a Taxa de Concepção e a Taxa de Serviço e é um indicador de extrema importância em função de seu grande impacto econômico para o produtor. Com base nos resultados da taxa de prenhez, diagnosticamos um relevante espaço para aprimoramento se comparamos a média geral dos rebanhos selecionados para a análise detalhada (16,14%) com os 10% das fazendas com melhor pontuação geral IILB 4 (22,84%).

Para identificar o fator de maior influência, avaliamos os índices que compõem a taxa de prenhez separadamente e observamos que as maiores diferenças entre os mais eficientes e os demais estavam na Taxa de Serviço e não na Taxa de concepção (tabela 2).

Normalmente, atuar na Taxa de Serviço é mais fácil do que atuar na Taxa de Concepção. Melhorar a eficiência de visualização de cios, por exemplo, pode acontecer apenas com a atuação na mão de obra. Como as análises mostraram, há oportunidade para melhorar a Taxa de Prenhez através da Taxa de Serviço.

TAMANHO DA FAZENDA X EFICIÊNCIA

Muito tem se falado sobre a saída de produtores, especialmente de menor porte, da atividade leiteira. Com o intuito de responder à pergunta “UMA FAZENDA TEM QUE SER GRANDE PARA SER EFICIENTE?” correlacionamos o tamanho da fazenda com sua eficiência. Fizemos uma leitura da relação do porte das fazendas com a nota geral do IILB.

Para a análise, foram definidas quatro faixas de porte das fazendas em função do estoque médio de vacas (em lactação e secas). As faixas e distribuição percentual das fazendas por faixa em relação ao total foram:

  • Até 100 vacas (27% das fazendas)
  • De 101 a 200 vacas (16% das fazendas)
  • De 201 a 300 vacas (33% das fazendas)
  • Acima de 300 vacas (27% das fazendas)

Pela observação dos dados, ficou claro que as fazendas de menor porte apresentam performances comparáveis às de maior porte. Em algumas situações, as fazendas menores podem até mesmo ser mais eficientes do que as maiores  (gráfico 2).

Gráfico 2 – Nota média geral do IILB 5 por porte das fazendas, considerando o estoque de vacas totais (em lactação + secas)

 

Pelos números obtidos, podemos dizer que o tamanho do rebanho não está necessariamente relacionado com a eficiência da fazenda. Destacamos que o objetivo da análise não foi negligenciar o fato da escala de produção ser vantajosa, especialmente em um país como Brasil, com grandes desafios logísticos e de infraestrutura básica. Ao contrário, os resultados obtidos mostram que, com a eficiência produtiva, reprodutiva, sanitária e econômica na atividade leiteira, o produtor está mais preparado para lidar com os desafios futuros. Seja grande, médio ou pequeno, desde que haja competência na gestão da fazenda, é possível que a produção seja eficiente.

O IILB reúne um conjunto de indicadores sobre a produção de leite, nunca antes disponibilizados ao mercado. Trabalhados de forma simples e prática, eles compõem uma base comparativa confiável que permite a realização de análises comparativas e a tomada de decisões que ajudarão aos produtores e técnicos a melhorar o desempenho das fazendas e, assim, alcançarem maior lucratividade nas operações produtivas.

ta revolução industrial, que em nosso caso, é a Pecuária 4.0, a era digital na produção animal.
Fazer com que os dados, acumulados diariamente nas fazendas leiteiras, sejam processados e analisados de forma mais efetiva, sempre foi um ponto chave para o sucesso de qualquer iniciativa de informatização. Enriquecer, ainda mais, a informação gerada, usando-a, não só para a tomada de decisões “dentro da porteira”, mas, também, como um balizador de desempenho em relação às demais, seria, então, a “cereja do bolo”.
Trabalhando há longa data neste segmento – soluções informatizadas para a gestão de empresas rurais – sempre procuramos disponibilizar, além das ferramentas necessárias para gestão operacional das atividades, mecanismos para que os usuários pudessem usufruir de benchmarking. No entanto, percebemos que a utilização desses mecanismos era muito pontual.
Pensamos, então, que um caminho viável para agregar valor às informações acumuladas seria organizar os dados e entregar as análises prontas, para que os produtores e técnicos criassem o hábito de acompanhar e comparar seu desempenho.
Foi assim que surgiu o IILB (Índice Ideagri do Leite Brasileiro). Fundamentado em um volume significativo de fazendas, amplamente distribuídas pelo país, e em dados coletados por meio de um sistema altamente confiável (Software de gestão Ideagri), o IILB é um indicador unificado, uma nota de 0 a 10, calculado com base em vários parâmetros produtivos, reprodutivos e sanitários, com limites personalizados por perfis de rebanho, que permite ranquear todas as fazendas consideradas dentro de uma mesma base comparativa.
Para a formação da nota global, o IILB propriamente dito, selecionamos 12 indicadores (ilustrados na figura 1) que são básicos na gestão de qualquer fazenda leiteira e “contam” a história da fêmea desde seu nascimento, passando por sua vida produtiva e reprodutiva até a sua saída da fazenda, além de indicadores gerais do rebanho.
Figura 1 – Indicadores englobados no cálculo do IILB

Além de entregar aos clientes do Ideagri, um benchmarking rápido e efetivo de suas propriedades, através do IILB, que é atualizado a cada trimestre e tem divulgação aberta,  é possível “diagnosticar” o desempenho e a evolução do setor. Conseguimos produzir números relevantes para diversos indicadores, baseados na realidade brasileira de fazendas tecnificadas, para qualquer pessoa interessada.
Na tabela 1, é possível visualizar a evolução das notas, da quantidade de fazendas e matrizes e da produção de leite diária e anual, contempladas ao longo das 5 edições disponibilizadas.
Para que as fazendas participem, aplicamos rigorosos critérios de seleção sobre os dados da plataforma Web do sistema de gestão Ideagri. Consideramos os rebanhos com dados lançados de forma contínua e ratificada. Trabalhamos os dados de forma genérica (todos os rebanhos têm o mesmo peso nos cálculos da média, independentemente do porte) e sigilosa, sem referência ou identificação individual de fazendas. Percebemos que, ao longo do tempo, inclusive por desejo de conhecerem sua nota IILB, as fazendas têm se empenhado em aprimorar os lançamentos de dados, o que se reflete no volume crescente de fazendas qualificadas. Ainda assim, há muito espaço para melhorar – do total de fazendas leiteiras usuárias do Ideagri, 24% se qualificaram para a última edição.

As fazendas contempladas podem variar de edição para edição, assim, em função da diferença da produção total e média, mesmo com menos rebanhos a produção de leite pode ser maior, em algumas análises.
Além da pontuação geral, disponibilizamos, também, as médias brasileiras para diversos indicadores, tais como: taxa de sobrevivência de fêmeas até os 12 meses de idade; idade ao primeiro serviço; taxa de concepção de novilhas; idade ao primeiro parto; taxa de prenhez de vacas; taxa de mortalidade de vacas; percentual de vacas em lactação em relação ao total de vacas; produção nas lactações; produção média; dias em lactação médio, dentre outros.
Todas as edições já realizadas podem ser acessadas na plataforma www.iilb.com.br, gratuitamente. Além das pontuações gerais, por perfil racial do rebanho e por região e dos resultados dos indicadores, análises complementares são realizadas, e, neste artigo, compilamos os resultados de alguns dos estudos sobre assuntos específicos, produzidos durante o primeiro ano do IILB. Um presente muito especial para quem vive do leite no Brasil!
TAXA DE SOBREVIVÊNCIA DE FÊMEAS ATE OS 12 MESES DE IDADE
A taxa de sobrevivência até os 12 meses avalia quantas fêmeas nascidas na fazenda chegam vivas a um ano de idade, desconsiderando os descartes voluntários. A informação da sobrevivência é um importante recurso para realizar projeções de rebanho e planejamentos financeiros, bem como avaliar a evolução sanitária do plantel, dentre muitas outras aplicações. Com base nos resultados da taxa de sobrevivência, vemos um importante potencial de melhoria se comparamos a média geral de todos os rebanhos (86,87% – mortalidade de 13,13%) com os 10% das fazendas com melhor pontuação geral IILB 5 (93,05% – mortalidade de 6,95%).
Para produzir informações mais detalhadas, com o intuito de direcionar as correções necessárias no manejo, nos aprofundamos nas causas da mortalidade das bezerras. Neste processo, um fato que ficou evidente foi que, para a análise qualitativa das causas, uma relevante parcela dos rebanhos não foi considerada devido aos registros inadequados ou incompletos das causas de morte.
Para analisar as 10 principais causas (gráfico 1), aplicamos um critério de qualificação à base de fazendas, sendo que só avaliamos as fazendas com pelo menos 70% de causas devidamente informadas, retirando as demais. Do total de rebanhos participantes do IILB 4 (edição na qual esta análise específica foi apresentada), apenas 40% puderam integrar a análise qualitativa. Deste cenário, um ponto que vale destacar é a necessidade de conscientização de veterinários e produtores sobre os benefícios da identificação das reais causas de morte, através da  utilização de técnicas específicas tais como necropsias e exames laboratoriais. Isso é essencial, pois permite a criação de estratégias que podem   minimizar   a chance de recidiva do problema em outros animais do rebanho.
Gráfico 1 – 10 principais motivos de baixa de fêmeas até 1 ano em fazendas com dados qualificados

TAXA DE PRENHEZ DE VACAS
A Taxa de Prenhez engloba a Taxa de Concepção e a Taxa de Serviço e é um indicador de extrema importância em função de seu grande impacto econômico para o produtor. Com base nos resultados da taxa de prenhez, diagnosticamos um relevante espaço para aprimoramento se comparamos a média geral dos rebanhos selecionados para a análise detalhada (16,14%) com os 10% das fazendas com melhor pontuação geral IILB 4 (22,84%).
Para identificar o fator de maior influência, avaliamos os índices que compõem a taxa de prenhez separadamente e observamos que as maiores diferenças entre os mais eficientes e os demais estavam na Taxa de Serviço e não na Taxa de concepção (tabela 2).

Normalmente, atuar na Taxa de Serviço é mais fácil do que atuar na Taxa de Concepção. Melhorar a eficiência de visualização de cios, por exemplo, pode acontecer apenas com a atuação na mão de obra. Como as análises mostraram, há oportunidade para melhorar a Taxa de Prenhez através da Taxa de Serviço.
TAMANHO DA FAZENDA X EFICIÊNCIA
Muito tem se falado sobre a saída de produtores, especialmente de menor porte, da atividade leiteira. Com o intuito de responder à pergunta “UMA FAZENDA TEM QUE SER GRANDE PARA SER EFICIENTE?” correlacionamos o tamanho da fazenda com sua eficiência. Fizemos uma leitura da relação do porte das fazendas com a nota geral do IILB.
Para a análise, foram definidas quatro faixas de porte das fazendas em função do estoque médio de vacas (em lactação e secas). As faixas e distribuição percentual das fazendas por faixa em relação ao total foram:
Pela observação dos dados, ficou claro que as fazendas de menor porte apresentam performances comparáveis às de maior porte. Em algumas situações, as fazendas menores podem até mesmo ser mais eficientes do que as maiores  (gráfico 2).
Gráfico 2 – Nota média geral do IILB 5 por porte das fazendas, considerando o estoque de vacas totais (em lactação + secas)

Pelos números obtidos, podemos dizer que o tamanho do rebanho não está necessariamente relacionado com a eficiência da fazenda. Destacamos que o objetivo da análise não foi negligenciar o fato da escala de produção ser vantajosa, especialmente em um país como Brasil, com grandes desafios logísticos e de infraestrutura básica. Ao contrário, os resultados obtidos mostram que, com a eficiência produtiva, reprodutiva, sanitária e econômica na atividade leiteira, o produtor está mais preparado para lidar com os desafios futuros. Seja grande, médio ou pequeno, desde que haja competência na gestão da fazenda, é possível que a produção seja eficiente.
O IILB reúne um conjunto de indicadores sobre a produção de leite, nunca antes disponibilizados ao mercado. Trabalhados de forma simples e prática, eles compõem uma base comparativa confiável que permite a realização de análises comparativas e a tomada de decisões que ajudarão aos produtores e técnicos a melhorar o desempenho das fazendas e, assim, alcançarem maior lucratividade nas operações produtivas.

Procure por conteúdos específicos:

Quer receber mais conteúdos para evoluir sua gestão de corte? Cadastre-se abaixo.

Ao se cadastrar declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Bovitech

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors