Contato

Pesquisa Ideagri #3: A identidade institucional do setor do leiteiro

Em época de pandemia e Fake News, nunca foi tão importante ter as cadeias de produção de alimentos organizadas e representadas. Assim, hoje, mais do que nunca, conhecer, divulgar e, conforme cada realidade, participar de movimentos e/ou entidades que atuem em prol da cadeia e dos produtores do nobre alimento, denota engajamento e visão de futuro para quem, de diferentes formas, “vive do leite”.
A terceira pesquisa da série Ideagri traz um levantamento do nível de conhecimento e adesão em relação a importantes frentes que atuam no fortalecimento da cadeia.
Pelas respostas ficou claro que os produtores de leite e profissionais atuantes na cadeia leiteira possuem grande consciência técnica sobre a atividade do setor. Mas aparentam sentir a falta de um posicionamento institucional forte e coletivo em defesa dos interesses de todos os elos da cadeia.
O Brasil figura entre os quatro maiores produtores de leite do mundo. São aproximadamente 35 bilhões de litros de leite produzidos por ano no país. E embora o leite e seus derivados estejam entre os alimentos mais fiscalizados e avaliados do mercado, em função, principalmente, de seu papel na cadeia alimentar humana e de suas características de conservação, o preconceito contra as atividades da pecuária leiteira continua grande. Por quê?
Depois de ouvir 167 produtores de leite brasileiros e técnicos atuantes na cadeia leiteira (clientes e não clientes da empresa) em sua Pesquisa #3, realizada on-line e finalizada dia 31 de agosto, a Ideagri pode ter descoberto algumas das respostas para essa situação. Os produtores e profissionais indicam ter forte consciência setorial, porém ela é mais técnica do que institucional.
O setor é bastante mobilizado em termos de normas e controles zootécnicos (o que é normal em um setor fortemente regulado). E é razoavelmente informado e envolvido com a mais atual tecnologia produtiva.
Mas, aparentemente, o setor sente a falta de um posicionamento forte e coletivo em defesa de seus interesses, que seja abraçado pela maioria dos produtores e pelos demais elos da cadeia do leite. Não há “palavras de ordem” defendidas de forma uníssona ou consistente. Falta uma “linha de comunicação” que os represente e que expresse à sociedade sua realidade moderna e segura e sua importância econômica e alimentar.
É hora, portanto, do setor se mobilizar em torno de um posicionamento e de uma comunicação consistente, efetiva, que projete uma imagem realista e positiva do setor e que ajude a impulsionar seu desenvolvimento. O leite brasileiro pode crescer muito.

Preencha o formulário para acessar, gratuitamente o e-book, com os resultados completos da pesquisa:

Em época de pandemia e Fake News, nunca foi tão importante ter as cadeias de produção de alimentos organizadas e representadas. Assim, hoje, mais do que nunca, conhecer, divulgar e, conforme cada realidade, participar de movimentos e/ou entidades que atuem em prol da cadeia e dos produtores do nobre alimento, denota engajamento e visão de futuro para quem, de diferentes formas, “vive do leite”.

A terceira pesquisa da série Ideagri traz um levantamento do nível de conhecimento e adesão em relação a importantes frentes que atuam no fortalecimento da cadeia.

Pelas respostas ficou claro que os produtores de leite e profissionais atuantes na cadeia leiteira possuem grande consciência técnica sobre a atividade do setor. Mas aparentam sentir a falta de um posicionamento institucional forte e coletivo em defesa dos interesses de todos os elos da cadeia.

O Brasil figura entre os quatro maiores produtores de leite do mundo. São aproximadamente 35 bilhões de litros de leite produzidos por ano no país. E embora o leite e seus derivados estejam entre os alimentos mais fiscalizados e avaliados do mercado, em função, principalmente, de seu papel na cadeia alimentar humana e de suas características de conservação, o preconceito contra as atividades da pecuária leiteira continua grande. Por quê?

Depois de ouvir 167 produtores de leite brasileiros e técnicos atuantes na cadeia leiteira (clientes e não clientes da empresa) em sua Pesquisa #3, realizada on-line e finalizada dia 31 de agosto, a Ideagri pode ter descoberto algumas das respostas para essa situação. Os produtores e profissionais indicam ter forte consciência setorial, porém ela é mais técnica do que institucional.

O setor é bastante mobilizado em termos de normas e controles zootécnicos (o que é normal em um setor fortemente regulado). E é razoavelmente informado e envolvido com a mais atual tecnologia produtiva.

Mas, aparentemente, o setor sente a falta de um posicionamento forte e coletivo em defesa de seus interesses, que seja abraçado pela maioria dos produtores e pelos demais elos da cadeia do leite. Não há “palavras de ordem” defendidas de forma uníssona ou consistente. Falta uma “linha de comunicação” que os represente e que expresse à sociedade sua realidade moderna e segura e sua importância econômica e alimentar.

É hora, portanto, do setor se mobilizar em torno de um posicionamento e de uma comunicação consistente, efetiva, que projete uma imagem realista e positiva do setor e que ajude a impulsionar seu desenvolvimento. O leite brasileiro pode crescer muito.

Preencha o formulário para acessar, gratuitamente o e-book, com os resultados completos da pesquisa:

Procure por conteúdos específicos:

Quer receber mais conteúdos para evoluir sua gestão de corte? Cadastre-se abaixo.

Ao se cadastrar declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Bovitech

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors