Contato

Como é a cultura na fazenda e como o processo pode auxiliar os produtores?

A mastite é uma das doenças com maior impacto na produção leiteira, pois gera uma série de prejuízos econômicos. Quando manifestada na forma clínica, leva a gastos com medicamentos, perda de produção de leite e descarte do leite após o tratamento com antibióticos. Já a mastite subclínica, pode impactar a produção e a qualidade do leite, diminuindo seu rendimento para a fabricação de produtos derivados lácteos, afetando a rentabilidade da propriedade.

Para enfrentar a patologia de forma efetiva é essencial à identificação do patógeno presente no rebanho. Uma ferramenta que vem sendo amplamente utilizada é a cultura na fazenda. O processo permite que os principais agentes causadores da mastite sejam identificados em 24 horas dentro da propriedade. Desta forma, é possível definir a origem do problema, que pode ser ambiental, de manejo ou até mesmo nos equipamentos e, com isso, investir em estratégias de controle, tanto da mastite clínica quanto da subclínica.

A cultura microbiológica na fazenda une tecnologia e praticidade em prol do produtor. O processo é realizado de forma simples: Ao identificar um animal com suspeita de mastite é feita a coleta de amostras de leite desta vaca. Na sequência o material coletado é levado para o Smart Lab, mini laboratório de análises, que possui área para inoculação das amostras e estufa para incubação dos testes. No local o produtor utilizará o aplicativo OnFarm para armazenar os dados do animal que está sendo avaliado.

Na sequência é feito o processo de inoculação, que consiste em transferir o leite coletado, com o auxílio de um swab (cotonete estéril), para a placa de cultura, que utiliza os meios cromogênicos (reação de cor) para identificar de forma rápida e precisa os patógenos presentes na amostra que ficará incubada por 24hs.

 

 

Após este período é realizada a leitura da placa, que permitirá identificar se há a presença de bactérias na amostra. O aplicativo, mais uma vez, será um aliado no processo, ele irá analisar o cultivo microbiológico indicando o patógeno presente com acurácia acima de 90% para os principais agentes causadores da mastite.

A agilidade no resultado permite que o produtor decida de forma estratégica o manejo que será aplicado. Se antes o tratamento com antibiótico era a única alternativa viável, hoje, é possível utilizar a terapia apenas quando necessário.

Isso contribuí não apenas para o uso racional de medicamentos como evita o surgimento de um outro problema: a resistência aos antibióticos.

Como a prevalência da mastite nos rebanhos é alta, a principal forma de tratamento utilizado para conter a infecção é a antibioticoterapia. Porém, sem a correta identificação do agente envolvido, o uso indiscriminado de antimicrobianos, pode impactar na seleção de microrganismos mais resistentes.

Cerca de 50% dos casos de mastite clínica identificados na fazenda não necessitam de antibioticoterapia, seja porque o agente não está mais presente na glândula mamária, ou por ser um patógeno que tem uma alta taxa de cura espontânea, como por exemplo, as bactérias gram-negativas. Além disto, nos casos que envolvem protozoários e fungos o uso de antibióticos também não é necessário.

Já na mastite subclínica, ao identificar o agente presente no rebanho, o produtor pode atuar na causa do problema, compreendendo os motivos que estão levando a infecção das vacas e trabalhando em estratégias de manejo para mitigar os impactos da patologia. Em ambos os casos, a cultura é uma aliada indispensável para tomada estratégica de decisão.

Essa informação também permite que a propriedade implemente um trabalho preventivo, ao invés de apenas curativo, para que seja possível agir no foco das causas da enfermidade na propriedade e evitar que novas infecções aconteçam no rebanho.

Outra rotina que pode ser implementada na fazenda, em busca de uma melhora no processo produtivo é a realização de cultura microbiológica nos animais que apresentam aumento na Contagem de Células Somáticas (CCS) para que seja possível monitorar e constatar o que há de errado com o animal e agir diretamente na
base do problema.

Ao trabalhar estes indicadores, a produtividade na propriedade irá melhorar significativamente, a sanidade é elevada, as vacas serão mais saudáveis, o leite produzido terá uma qualidade superior e o trabalho contribuirá para o crescimento de toda a cadeia leiteira.

Sobre a OnFarm:
A OnFarm traz uma solução simples, inovadora e única, que permite a identificação da causa da mastite em 24 horas, na própria fazenda, através da cultura microbiológica.

Conhecer o agente de forma rápida é indispensável para o sucesso de qualquer programa de controle da mastite. A tecnologia acredita no empoderamento dos produtores, para que tomem decisões cada vez mais assertivas. O produtor em primeiro lugar, sempre. Para mais informações acesse: http://onfarm.com.br/ ou entre em contato no WhatsApp (19) 97144-1818 ou e-mail: contato@onfarm.com.br |
Acompanhe nas redes sociais: Instagram | Facebook | LinkedIn | Youtube

Procure por conteúdos específicos:

Quer receber mais conteúdos para evoluir sua gestão de corte? Cadastre-se abaixo.

Ao se cadastrar declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Bovitech

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors