Contato

Cura espontânea?

Brunna Granja
Med Vet – Central Atendimento OnFarm

 

No artigo anterior discutimos os fatores que levam a resultados negativos (sem crescimento) na cultura microbiológica, mesmo que a vaca tenha alterações visuais no leite como grumos ou coágulos.

 

Os dados de mais de 600 fazendas que utilizam a solução da OnFarm indicam que a porcentagem de casos de mastite clínica com resultados negativos é de 38%. Ou seja, de cada 10 vacas com mastite clínica e sinal de infecção,  em pelo menos 4 o agente causador não está mais presente na glândula mamária do animal. Mas qual o principal motivo? Claramente, o principal fator que explica tal fato é o que chamamos de cura espontânea, ou seja, o sistema imune da vaca é capaz de combater a infecção.

Mas o que afeta a cura espontânea?  A partir de dados de diferentes estudos, foi possível observar que diferentes fatores podem influenciar a probabilidade de cura espontânea de um caso mastite.

  1. Número de lactações – taxa de cura espontânea para vacas primíparas é duas vezes maior do que para vacas multíparas.
  2. Imunidade do animal – o sistema imune desempenha papel essencial nos casos de cura espontânea, com taxa de até 20% dos casos de mastite clínica, exceto quando Staphylococcus aureus.
  3. Vacinação contra agentes específicos e suplementação com micronutrientes na alimentação para aumentar a resposta imune da vaca.
  4. O agente causador também influencia diretamente as taxas de cura espontânea:
  • Coliformes, como Escherichia coli a taxa de cura espontânea é acima de 85%;
  • Streptococcus ambientais, como o uberis e Strep. dysgalactiae, a taxa de cura espontânea é baixa, necessitando de tratamento com antibióticos.
  • Staphylococcus aureus, a taxa de cura espontânea tanto para casos de mastite clínica quanto subclínica, é praticamente nula.

 

Tratar ou não tratar? Se você conhece o problema, ou seja, o agente causador da infecção, a resposta a essa questão torna-se muito mais fácil.

 

 

Johnson, L.R.; Nickerson, S.C. A large multi-centric study in the United States assessing self-cure rates in dairy cows during the dry period from mastitis due to Staphylococcus aureus. Animal husbandry, Dairy and Veterinary Science, v.1, p.1-7, 2017.

Kromker, V.; Leimbach, S. Mastitis treatment – Reduction in antibiotic usage in dairy cows. Reproduction in Domestic Animals, v.52, p. 21-29, 2017.

Langoni, H., et al. Considerações sobre o tratamento de mastite. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.37, p. 1261-1269, 2017.

Lago, A.; Godden, S. Use of Rapid Culture Systems to Guide Clinical Mastitis Treatment Decisions. Veterinary clinical foods animal, v.34, p. 389-412, 2018.

Procure por conteúdos específicos:

Quer receber mais conteúdos para evoluir sua gestão de corte? Cadastre-se abaixo.

Ao se cadastrar declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Bovitech

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors