Contato

Recria e a terminação intensiva a pasto (RIP e TIP) como estratégias para aumento da produtividade

Neste artigo, você entenderá quais são os métodos para aumentar a produtividade e porque a RIP e TIP são alternativas viáveis para melhorar o desempenho na fazenda.

A intensificação da pecuária no Brasil a partir da estabilização econômica e do aumento da demanda de carne para exportação têm levado à intensificação dos sistemas produtivos, seja nos setores de insumos como aqueles de produção propriamente dita e até mesmo os setores finais na indústria de beneficiamento. Considerando o setor de insumos, o aumento da produtividade leva ao melhor uso destes, como exemplo o maior uso de grãos nos sistemas de produção animal com objetivo de melhoria em desempenho e redução de ciclo. 

Nesta ótica, advindo do aumento da demanda por carne, também verificou-se maior exigência por carcaças mais pesadas vindas de sistemas de produção à pasto. Tornou-se necessário então o aumento da produtividade, ou seja, o número de arrobas por hectare, melhorando a eficiência do uso do pasto ao longo do tempo, recuperando o ágio do boi magro ou bezerro, e que também cubra os custos operacionais. Essas são as premissas para intensificação de sistemas de recria e terminação a pasto. 

A recria representa acima de 50% do tempo do animal no sistema, e o sucesso na terminação é praticamente dependente da recria bem feita e também pelo aumento na energia da dieta para deposição de gordura. Vale considerar que não estamos falando de sistemas que substituem o pasto completamente, porque ainda nestes casos o pasto deve ser visto como protagonista, mas para ganhos superiores em carcaça com redução significativa do tempo, o uso do suplemento em maiores níveis é indispensável. 

Quando nos referimos à recria, estamos considerando o período compreendido entre um bezerro desmamado, que em geral é na seca até que este chegue ao “ponto” ideal para entrar na terminação, quando a composição do ganho é maior em tecido adiposo, ou seja, em gordura. Nesta fase da vida, onde o animal encontra-se próximo à puberdade o ganho de peso é eficiente pois a maior parte do seu ganho é em massa muscular, portanto o retorno do consumo de pasto e suplemento em ganho de peso pode ser expressivo. Vale ressaltar que o pasto é o foco neste sistema, e o efeito do suplemento é aditivo. Na RIP metas de ganho acima de 600 gramas por dia são alcançadas com uso de suplemento proteico ou proteico-energético entre 0,5 a 0,7 % do peso corporal, mas importante é salientar que este ganho em geral é aditivo, ou seja, se complementa entre as fases da cria, recria e terminação, propiciando carcaças bem formadas ao fim do ciclo produtivo e mais animais produzidos ao longo do tempo, pois possibilita aumento da taxa de lotação ainda com uso eficiente do pasto. 

Considerando a TIP, a oferta de suplemento aumenta consideravelmente, chegando em 1,5 a 2% do peso vivo por dia em suplemento proteico-energético. Esse consumo é compatível ao tempo e peso que o animal necessita ganhar para estar apto ao abate com carcaças com acabamento mínimo exigido, em torno de 20-21@. Na terminação as exigências mudam em relação à recria, e aumentam as exigências de energia para deposição de tecidos que em sua maior parte é em gordura, sendo esta subcutânea e/ou intramuscular. Na TIP comparado ao confinamento tradicional, o ganho em carcaça em relação ao ganho de peso corporal é uma vantagem, pois em geral acontece redução do peso de órgãos, como o rúmen, o que muda a composição do ganho do animal na balança, em especial composição do trato gastrointestinal melhorando o rendimento do ganho (ganho em carcaça em relação ao ganho de peso vivo). 

A RIP e TIP são alternativas viáveis para intensificação considerando custos operacionais e logística, durante a seca e até mesmo nas águas. Vale ressaltar que nesse nível de oferta de suplemento deve-se ampliar espaço de cocho e estrutura de bebedouros além de acompanhar o comportamento dos animais, escore de fezes e a oferta de pasto, pois como citado anteriormente, o pasto ainda é o protagonista do sistema.

Professora Cláudia Sampaio
Departamento de Zootecnia, Universidade Federal de Viçosa

Procure por conteúdos específicos:

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors