Contato

Série especial – Troféu IILB – Fazenda Parousia

A Fazenda Parousia, do Sr. Edilberto Marra, localizada em Palminópolis, GO, obteve, em 5 anos, um crescimento de 240% em seus resultados de produção. A fazenda, com apenas 80 hectares, sem compra de animais ou terras e sem quaisquer arrendamentos, produz 7 mil litros de leite por dia. A Parousia foi ganhadora do troféu na 9ª edição do IILB, o “Oscar” do leite no Brasil, na categoria Perfil 1, com 8,78 pontos. Conheça mais sobre a história da fazenda e sobre esta incrível evolução.

Acesse
 “Não me esqueço do dia no qual a Heloise nos comunicou que tínhamos ganho o prêmio. Nós estávamos em viagem para uma outra cidade próxima e estávamos na estrada. Ela me mandou uma mensagem, parabenizando pelo prêmio. Me deu bambeza nas pernas… Parei o carro no acostamento e falei – Não acredito no que estou ouvindo! Ela me disse que era verdade e me perguntou se poderia divulgar o meu nome e o dados. Eu falei para ela, claro, os dados não me pertencem, eles são nossos! Foi motivo de grande surpresa, embora a gente trabalhe duro para trazer resultados. 
Nós entendemos que se trata de uma vitória coletiva. Acreditamos que estamos representando o pequeno produtor brasileiro de leite. A virtude de grandes resultados não é privativa de grandes propriedades. A nossa propriedade é muito simples, as instalações são muitos simples, mas a gente procura focar naquilo que tem importância!”Palavras do Sr. Edilberto Marra 
“O Ideagri é o nosso esteio. É nosso parceiro básico, estratégico. Sem números, não tem gestão e não sabemos onde estamos ou como vamos planejar para onde vamos. O Ideagri realmente tem um papel Nevrálgico* em nosso empreendimento.”Edilberto Marra Carneiro – Fazenda Parousia – Palminópolis, GO https://www.youtube.com/embed/dP5ZjxloZD4?start=528

*Nevrálgico: Elemento crucial ou o mais importante de uma questão qualquer.

Campo Nutrição Animal produziu dois vídeos sobre a fazenda, que foram usados como base para a produção do texto deste artigo. Ao final da matéria é possível, também, acessar os vídeos originais. Confira, no final do artigo, os links para os vídeos completos.

Confira, também, ao final do texto, o link para a Live realizada pelo Santa Fé AgroInstituto, parte do Simpósio de Manejo e Nutrição de Vacas Leiteiras, com o tema ‘O caso de sucesso da Fazenda Parousia – Goiás’

“Em 1988, ou seja, há 32 anos atrás, nossa família estava por decidir qual seria o meio de sustento para criar, para educar os nossos filhos. Tínhamos algumas opções, naquela época eu era um alto executivo, e poderia continuar sendo,  ou até entrar em uma carreira política ou, ainda, fazer dessa propriedade um empreendimento para sustento da família. Pesamos as opções e decidimos fazer desta pequena fazenda, um sistema de produção de leite que desse sustento para nossa família.”, conta Edilberto.

Edilberto prossegue “Nós achamos que o envolvimento com a produção de leite nos traria para nossas raízes. Nós entendíamos que a forma mais honesta e mais digna que nós tínhamos de ter o nosso ganho pão. Então, o leite, para nós, é um meio de sustento. Nós vivemos do leite. Nós não temos nenhuma renda fora da propriedade e nenhum palmo de chão fora dessa propriedade.

A fazenda tem 95 hectares, sendo que 80 hectares são utilizados para a produção de leite e os outros 15 hectares são áreas de preservação permanente, dentre outros.

Há cerca de 12 anos atrás a fazenda produzia 1.000 litros por dia, quando passou a contar com assistência técnica veterinária e agronômica.

Edilberto destaca alguns divisores de água para a Parousia:

“Passamos a trabalhar com volumoso de boa qualidade. Já tínhamos bons resultados com cana e uréia e depois passamos para a silagem e pastejo rotacionado intensivo. Passamos, então, a entender que um programa forrageiro de alta qualidade era a principal base de sustentação de uma pecuária de leite. Isso aconteceu exatamente entre 1988 e 1989.”

“Em 1990 implantamos a ordenha mecânica. Foi possível agilizar o processo de ordenha e aumentar a escala de produção.”

“Em 1996 fizemos nosso primeiro estábulo de free-stall, para as vacas no terço inicial da lactação.”

Em 2008 contratamos do Ideagri. Nós precisávamos registrar e consolidar os dados para termos instrumentos de gerenciamento. SEM DADOS; SEM REGISTO. SEM LUZ. FICAMOS NO ESCURO. Nesta ocasião o Rehagro deu uma contribuição muito importante, por um período de 2 anos.”

“Em 2009 veio o vagão de deita total que mudou a vida da fazenda. Tínhamos 2 funcionários só para misturar.”

“Em 2013, com a visita de José Renato Chiari, descobrimos a necessidade de fibra de boa qualidade. Descobrimos que precisávamos de fibra efetiva, que isso era saúde para a vaca. Ele também alertou para o fato das vacas terem que ser estabuladas. Estabulamos todas as vacas em lactação”.

“Depois estabulamos o pré-parto.”

“Em 2019, através de Renato Nogueira, descobrimos um outro divisor de águas, que estabeleceu uma alavancagem tremenda, que foi o resfriamento de vacas. Essa experiência que temos tido, principalmente de 2019 passado para cá, tem nos possibilitado avanços extraordinários.”

Há uma previsão de um aumento de 20% de produção em relação ao ano anterior. Também se projeta um aumento de 24% para 30% na taxa de prenhez. A evolução é atribuída, principalmente, ao investimento realizado no resfriamento das vacas.

Na condução da fazenda, quatro pontos relevantes são levados em conta: genética, nutrição, sanidade e gestão. Como áreas fundamentais para o bom desempenho da fazenda, a equipe da Parousia destaca: reprodução, qualidade de leite, recria, eficiência alimentar e gestão de pessoas.

A fazenda tem trabalhado fortemente a reprodução com foco na taxa de prenhez, que combina a taxa de serviço (vacas que estão sendo servidas em relação às que estão aptas para a reprodução) com a taxa de concepção (vacas inseminadas que emprenharam). Em 2015 a taxa de prenhez da fazenda era 9% e neste ano a expectativa é que a taxa de prenhez seja de 30%. Uma taxa de prenhez de 30% significa que o rebanho da fazenda vai parir com um intervalo entre partos de 12 meses – a velha história de um bezerro por vaca por ano, que vai acontecer na fazenda. A fazenda saiu de um intervalo de partos de quase dois anos para um ano – 333% de crescimento na taxa de prenhez em 5 anos. No próximo ano, a fazenda crescerá mais ainda na produção de leite, porque a reprodução que acontece na fazenda hoje, impacta na produção de leite futura.

Um ponto muito bem cuidado na fazenda é a qualidade de leite. A preocupação com a qualidade vem desde a seleção do touro até o dia a dia da fazenda.

Edilberto conta um pouco sobre a história da qualidade de leite e os índices atuais da fazenda, “Nós entendemos que a qualidade de leite é o primeiro dever de casa que o produtor de leite tem que aprender. O produtor de leite que não aprender isso está desabilitado para produzir leite. A qualidade de leite tem duas variáveis envolvidas que são muito importantes. A primeira é o compromisso ético com quem vai consumir o leite. Esse é o primeiro e grande compromisso de um produtor de leite. Ele tem que ser honesto com quem com quem vai consumir o leite. Tem um índice, chamado CBT (Contagem bacteriana total) que na fazenda é de 6 mil. A média do Brasil, ou melhor o limite admitido pelo Ministério de Agricultura é até 500 mil! O segundo ponto é o controle da glândula mamária ou o controle de mastite do rebanho. Se o produtor não tem este controle, realmente ele não tem como tocar o negócio. O principal ponto de prejuízo em uma fazenda de leite é a mastite.”

A fazenda tem 200 vacas em lactação (média anual) e eventualmente, em um ou dois dias da semana, não há sequer uma vaca em tratamento. A CCS média da fazenda dos últimos 7 anos da foi de 169 mil.

Em relação à eficiência alimentar, Pedro Luppi, coordenador técnico da Campo Nutrição Animal, comenta que o momento é atípico em relação ao custo de matéria prima e isso aumenta a importância da eficiência. “A Parousia é uma fazenda exemplar na gestão nutricional, especialmente em função do momento atual. Quanto mais há os momentos de dificuldade, mais eficiente a fazenda tem que ser. Quando a gente desafia mais os custos nutricionais sobem, mas quando há o reflexo no resultado, isso se torna mais rentável. A ideia é sempre manter o custo alimentar entre 50 a 55% do custo total”, completa Pedro.

 “A eficiência alimentar significa a relação da quantidade de leite produzido pela vaca com um quilo de alimento. Isso é o que diferencia uma fazenda da outra. Isso é o que faz a fazenda ser ou não eficiente.”, comenta Leonardo Marçal, Diretor Técnico e Comercial da Campo Nutrição Animal.

Em relação à recria, a fazenda estava com dificuldades reprodutivas, o que causou a diminuição na produção de bezerras e na oferta para a reposição das matrizes. Hoje, a fazenda, em função do trabalho feto, está com a recria cheia e com índices espetaculares. Em 2020, nasceram 137 bezerras e 134 estão vivas, morreram 3 bezerras na recria. A novilhas são muito bem recriadas e tem o primeiro parto em torno de 2 anos de idade. O animal fica dois ano na recria e entre em produção se tornando um animal rentável. Leonardo completa “Esse número é muito importante. É como se você tivesse um hotel e quem paga a conta para todos os hóspedes são as vacas em produção. Se a proporção de pagantes não for adequada, o hotel pode não dar lucro, pois tem muita gente comendo e pouco pagando. Que está pagando é quem produz leite!”

Um ponto forte da fazenda, que é notado por todos que a conhecem e visitam, é a gestão de pessoas. É comum ouvir de muitos produtores “Não consigo arrumar pessoas. Preciso de gente. O povo não para.” Leonardo comenta que nunca ouviu isso de Edilberto. “Na fazenda a equipe forma um verdadeiro time”, ele completa.

“Eu sou muito agradecido a Deus por ter me cercado de pessoas de bem. Eu costumo dizer que as pessoas que estão comigo são melhores do que eu. Eu sou muito exigente nessa questão de relacionamento. Como diz o ditado citado por nossos avós – Diga-me com quem tu andas que eu te direi quem tu és – isso é uma verdade absoluta em qualquer lugar do mundo, em qualquer negócio, em qualquer atividade. A gente quando busca um colaborador, um funcionário, nós nos interessamos por aquilo que ele é e não por aquilo que ele sabe fazer. O que ele vai fazer, nós podemos aprender juntos, mesmo poque cada propriedade tem um jeito próprio de fazer as coisas. Mas o que ele é, é difícil de mudar. Ele tem que trazer com ele honestidade, humildade, vontade de trabalhar, motivação. Então, nós nos cercamos de parceiros que tenham estas características de caráter e de conduta. E, principalmente, dos nossos parceiros estratégicos, que são nossos parceiros que cuidam da nutrição, como é o caso da Campo Nutrição Animal, que cuidam da genética, que cuidam da parte da reprodução, de sanidade, de gestão. Nós costumamos dizer que os parceiros têm que caber nas duas mãos. Nós somos muito seletivos nesta questão de parcerias, de equipe, de gestão. Quando nós falamos de equipe, nós estamos falando tanto de nossos colaboradores, quanto de nossos parceiros. Sem este espírito de equipe, de parceria, não teríamos alcançado os resultados que alcançamos” finaliza Edilberto.

Vídeo Informações Link
https://www.youtube.com/embed/fYl4smoWFIE Vídeo ‘Histórias de Sucesso: Fazenda Parousia Parte 1’ – produzido pela Campo Nutrição animal https://youtu.be/fYl4smoWFIE
 https://www.youtube.com/embed/TWwIsy05PKQ Vídeo ‘Histórias de Sucesso: Fazenda Parousia Parte 2’ – produzido pela Campo Nutrição animal https://youtu.be/TWwIsy05PKQ
 https://www.youtube.com/embed/novPyt2ryRo?start=528 Live realizada pelo Santa Fé AgroInstituto, parte do Simpósio de Manejo e Nutrição de Vacas Leiteiras, com o tema ‘O caso de sucesso da Fazenda Parousia – Goiás’. De quase “fora do jogo” por problemas reprodutivos em 2014/2015 para a melhor fazenda do perfil 1 (gado holandês) do Índice Ideagri do Leite Brasileiro 2020. Universo de 332 propriedades (no perfil 1), que lançaram dos números todos os mesmos no programa para o mesmo grau de sangue. Com Renato Palma Nogueira, Edilberto Marra Carneiro, Dario Magalhães e Leonardo Marçal.  https://youtu.be/novPyt2ryRoO tema é abordado a partir de 8m51s (na 1ª parte do vídeo Renato Palma  e Mike Hutjens, apresentam outro estudo de caso, também muito interessante).

Acesse www.iilb.com.br e confira todos os detalhes. Caso você ainda não tenha acesso, para fazer seu acesso gratuito à plataforma IILB, no site  www.iilb.com.br, basta clicar em:

Cadastrar

Todos os conteúdos estarão disponíveis!

Procure por conteúdos específicos:

Quer receber mais conteúdos para evoluir sua gestão de corte? Cadastre-se abaixo.

Ao se cadastrar declaro que conheço a Política de Privacidade e autorizo a utilização das minhas informações pela Bovitech

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors